Se Deus não usa Força para impor Sua Vontade, como podemos nós?

Atualizado: 13 de Jan de 2020


Se Deus não usa força e violência para nos submeter à sua vontade, por que insistimos em usar a força e a violência para submeter outras pessoas à nossa vontade? Não devemos seguir o exemplo do nosso Pai Celestial?

Toda a estrutura social do mundo - o estatismo - repousa sobre uma base de violência. As pessoas se dividem em vários grupos políticos e lutam pelo controle de um aparato estatal que os capacita a impor sua vontade a outros grupos.

Basta considerar o debate atual sobre o controle de armas. Muitos americanos se comprometeram a tirar certos tipos de armas de fogo de pessoas pacíficas. É claro que aquelas pessoas sabem que não podem usar a violência de forma legítima para roubar a propriedade de outras pessoas - não como indivíduos. Mas se eles puderem aproveitar o poder do estado e conseguir que os representantes aprovem uma lei, o governo fará o que eles moralmente não podem - usar a ameaça da força e da violência para roubar a propriedade das pessoas. Na mente dessas pessoas, o governo fornece legitimidade a meios violentos para atingir seus objetivos.

Ironicamente, essas pessoas afirmam que um desejo de paz motiva suas ações. Mas a ideia delas de paz depende da violência.

Em última análise, o que eles querem é o poder bruto de moldar o mundo à sua imagem. O estado fornece esse poder. A maioria das pessoas, inclusive os cristãos, ficam mais do que felizes em usá-las, se acharem que isso lhes permitirá seguir seu caminho. Embora possam ser motivados por ideais nobres, seus fins não justificam seus meios.

Gerard Casey é professor emérito de filosofia na University College Dublin. Ele argumenta que Deus tem o direito absoluto de impor sua vontade pela força. Afinal, ele é dono do universo. Ele também é o dono de cada um de nós.

“Se Deus, que da nossa perspectiva é o criador do universo - ele literalmente nos criou, e, nesse sentido, se alguém é dono de alguma coisa, Deus é dono do universo - e, de fato, na nossa teologia, morreu na cruz por nós, ele é duplamente nosso dono. Então, Deus, que nos possui duplamente, e que em de uma maneira 'minha casa, minhas regras', tem o direito de nos dizer o que podemos e não fazer e de fato nos forçar a não fazê-lo - se ele não está disposto a fazer isso, como alguém pode ter o direito de fazê-lo?”

Mas enquanto Deus certamente tem o "direito" de impor sua vontade sobre nós pela força, ele não o faz. O reino de Deus opera em uma ética fundamentalmente diferente dos reinos do mundo. Em vez de uma base de força, coerção e violência, Deus opera de uma base de amor. Considere os dois grandes mandamentos.

Respondeu-lhe Jesus: Tu amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de toda a tua mente. Este é o primeiro grande mandamento. E o segundo é semelhante a este: Tu amarás o teu próximo como a ti mesmo”. Mateus 22.37-39.

Como você pode alegar amar o próximo enquanto aponta uma arma para a sua cabeça e exige que ele se submeta à sua vontade? Você gostaria que outra pessoa o tratasse dessa maneira?

Quando Jesus disse “Desses dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas” ele quis dizer que toda a estrutura moral/ética de seu reino flui desses mandamentos.

Governantes estatistas violam o segundo grande mandamento. Então, como os crentes podem abraçar um sistema estatista? Deus não chama aqueles de nós que clamam seu nome para abraçarem uma ética diferente - sua ética?

Em última análise, Deus permite que todos os seus filhos vivam livres. Ele nos oferece sua Palavra, mas ele não nos obriga a segui-la. Claro, sofreremos as consequências naturais da desobediência. No entanto, Deus nos permite fazer a escolha. Ele não usa violência para nos forçar a dobrar o joelho e nos submetermos a Ele. E Ele não nos enfia em seu reino. Nós fazemos essa escolha. Ou não.

Como Casey coloca, Deus estende a mão da amizade para nós, mas ele não nos força a agarrá-la.

“Se alguém lhe disser ‘seja meu amigo’ e apontar uma arma para você, isso não é um bom começo para um relacionamento. Deus nos oferece sua amizade. Temos a opção de aceitar ou não. Mas se é para fazer algum sentido, tem que ser livre. Você tem que ser capaz de dizer sim e você tem que ser capaz de dizer não. E aqui está a coisa realmente interessante: Deus vai respeitar sua decisão mesmo quando ele sabe que não é uma boa ideia”.

Como seus seguidores, devemos ir e fazer o mesmo.




Sobre o autor:

Michael Mike Maharrey

315 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo